sábado, 1 de dezembro de 2012

Intervenção encontra irregularidades na gestão da Santa Casa de Cambé

Do CAMBÉ DE FATO: 
A promotora de Justiça Adriana Lino revela: 
“Não posso dar detalhes por que o processo corre em 
segredo de justiça, mas posso dizer que já foi 
apurada má-gestão que implica em 
ilícitos civis e criminais”.


Intervenção encontra irregularidades
na gestão da Santa Casa de Cambé

"O que foi levantado já justifica a intervenção e a liminar”. Com esta frase a promotora de Justiça Adriana Lino respondeu a indagação de repórteres sobre o que já havia sido encontrado na investigação que está em andamento na Santa Casa de Cambé, depois que o hospital sofreu intervenção judicial, a pedido da promotora.

Entenda o caso - “O procedimento (no MP) teve início em 16 de novembro de 2009 e foi motivado por denúncias da  população, como mal atendimento e falta de cortesia”, explica Adriana Lino, revelando que já há quase três anos a administração do hospital era investigada e chamada a dar esclarecimentos. “Encontramos dificuldade para fiscalizar a administração anterior. Era uma caixa-preta”, pontua a promotora. “Fiz uma recomendação para que se abrisse o quadro associativo. Abriram, mas muito pouco”, diz  Adriana, se referindo a entidade que administra o hospital e que tem pouco mais de 20 sócios. “Queremos mais pessoas no quadro associativo da Santa Casa”, avisa Adriana Lino, lembrando que os diretores afastados não devem fazer parte da diretoria que será eleita após o término da intervenção. “Não vejo possibilidade da volta destas pessoas por que já foram levantadas irregularidades”.

Como fica o hospital - Segundo a promotora Adriana Lino a intervenção não tem data para acabar e neste período,  a Santa Casa de Cambé será saneada. “A intervenção não tem prazo para finalizar. Queremos apurar as denúncias com mais profundidade”, declarou ela. “A Santa Casa tem condições de prestar serviços melhores. Quando todas as irregularidades estiverem saneadas e o hospital prestando serviços de forma satisfatória, então cessa-se a intervenção”, afirmou a promotora de Justiça.
Neste período a administração da Santa Casa de Cambé está sendo realizada por uma interventora nomeada pelo juiz Ricardo Gorla, a pedido do Ministério Público. “A interventora já trabalhou no Cismepar e conjuntamente  com as Comissões Deliberativa e Consultiva está cuidando da Santa Casa”, revelou Adriana Lino.
A interventora nomeada é a psicóloga Maria das Mercês de Matos Peixoto da Silva. Já a Comissão Deliberativa é composta pela médica Djamedes Garrido (chefe da 17a. Regional de Saúde), representando o Governo do Estado; Alessandra Garcia Gonzales Vaz (secretária municipal de Saúde), representando o Município e  o contabilista Carlos Alberto Correa Rocha, representando a sociedade. Na Comissão Consultiva, foram nomeados a farmacêutica Maria Celia Rodrigues Greghi, o advogado Aristides Rodrigues Rodrigues e o pastor Nilson Maciel, este último, presidente do Conselho Municipal de Saúde. Todos os membros das duas comissões vão prestar trabalho voluntário para a Justiça.

Papel do Município e do Estado - Para a promotora de Cambé, os convênios de repasse de recursos, do governo do Estado e da Prefeitura de Cambé estão dentro da normalidade. “Todos os convênios, a nível estadual e municipal, são feitos de forma regular”, disse a promotora, falando sobre o papel de cada ente federativo. “O Município não tem obrigação de encampar a Santa Casa. O que a Prefeitura faz é repassar um auxílio mensal. Já o Estado repassa recursos em função de todo o atendimento do SUS”, diz Lino, completando: “fica difícil Santa Casa  sobreviver somente com recursos públicos e os poucos recursos privados. Faltam recursos que poderiam ajudar, como as doações”.  

Investigação prossegue - Ao mesmo tempo que administram o hospital, as comissões e a interventora têm também a missão de investigar e levantar todas as denúncias já feitas contra a administração anterior da Santa Casa. “Não posso dar detalhes por que o processo corre em segredo de justiça, mas posso dizer que já foi apurada má-gestão que implica em ilícitos civis e criminais”, disse a promotora. Adriana Lino revela que a investigação está sendo feita com profundidade. “Tudo será apurado. Principalmente onde foram aplicados os recursos públicos na Santa Casa”, finaliza a promotora de Cambé.

Quatro funcionários graduados do setor
administrativo já teriam sido  demitidos

Segundo funcionários que pediram anonimato, a nova administração da Santa Casa já teria demitido pelo menos quatro funcionários graduados do setor administrativo. Segundo a mesma fonte, dois deles têm ligações estreitas com a ex-diretora Izabel da Silva. Também circulam boatos de que as demissões da área administrativa podem continuar nas próximas semanas.
O CAMBÉ DE FATO procurou a administração do hospital para se confirmar ou não as demissões e a sua motivação. A direção do hospital, através de sua assessoria de imprensa informou que não poderia comentar o assunto alegando “segredo de justiça”  mas também não desmentiu as demissões.

Falha na escala e atendimento sobrecarregado são problemas a serem resolvidos, diz diretor técnico da Santa Casa

De acordo com o médico Rogério Sakuma, diretor técnico da Santa Casa de Cambé, o hospital está passando por um momento de transição, onde a nova administração organiza os serviços prestados pelo hospital. O médico aponta que as Unidades Básicas de Saúde são fundamentais na Saúde Pública, porém a população tem procurado a Santa Casa para atendimentos primários. “O atendimento está sobrecarregado em função de um fluxo inadequado de atendimento. Talvez por falta de orientação para a população. A finalidade de atendimento de um hospital é atendimento secundário, como acidentes de trânsito, esfaqueados, enfartados, acidente vascular cerebral, baleados, entre outros. São situações mais complexas, deixando para as Unidades Básicas de Saúde, casos de menor gravidade, atendimentos e realização de exames eletivos. A grande maioria dos atendimentos que realizamos são consultas eletivas, ou seja, que poderiam ser realizados nos postos de saúde”, afirma Sakuma.
“Os casos que não são graves dão sintoma prévio, como uma dor no peito por esforço físico ou dor lombar crônica, primeiramente devem ser atendidos nos postos de saúde. Havendo a necessidade, o posto encaminha para a especialidade competente e deixa para o atendimento hospitalar os casos realmente graves. Grande parte dos casos são regulados, ou seja, encaminhados pela ambulância, via SAMU ou SIATE”, alega Sakuma.
O diretor ainda ressalta que os atendimentos estão sendo realizados, “porém há casos em que são regulados, como mulheres que vem até o hospital para fazer o teste de gravidez. Se hoje tenho uma sobrecarga de atendimento desnecessário, com a regulação e melhoria de fluxo poderemos oferecer um melhor atendimento à população. Essa mudança será a médio prazo, até porque temos várias correções que devem ser feitas, como falha de escala, por exemplo. É um ponto de partida”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário