sábado, 24 de março de 2012

Justiça anula o relatório da CPI da Câmara de Cambé

Do Jornal CAMBÉ DE FATO:



A Justiça reconheceu o argumento do Instituto Atlântico de que 
Cecílio Araújopresidente da CPI, não permitiu 
o acesso do Instituto ao processo, cerceando sua defesa.  

O Relatório Final, feito pelo relator da CPI, Irineu Defende
é um emaranhado de calúnias, construído com fins eleitorais. 
O Relatório foi totalmente anulado pela Justiça.

A juíza  Patrícia de Mello Bronzetti concedeu, no último dia 13, mandado de segurança ao Instituto Atlântico contra a CPI da Câmara Municipal de Cambé. A mesma magistrada já havia concedido liminar ao Atlântico, suspendendo os efeitos do Relatório Final da CPI (veja histórico abaixo).
Em sua sentença, a juíza Patrícia Bronzetti entende que a CPI da Câmara, por meio de seu presidente, Cecílio Araújo, negou acesso do Instituto Atlântico aos documentos e procedimentos da CPI. “O ato praticado pelos impetrados (Conrado Scheller, Cecílio Araújo e a CPI da Câmara) é totalmente ilegal, abusivo e carente de fundamento”, escreve a juíza. “Conforme o posicionamento do Egrégio Supremo Tribunal Federal, com base na Magna Carta, a CPI não confere ao Estado  o poder de agir de forma arbitrária, desrespeitando as normas e princípios constitucionais”, segue a magistrada em sua sentença.
Em outro ponto, Bronzetti compara a CPI com as responsabilidades de um magistrado.  “A Constituição Federal, em seu artigo 58, parágrafo 3o., traz que as CPIs possuem poderes próprios das autoridades judiciárias (não policiais de inquérito apenas), o que as obrigam à sujeição às normas e às limitações que incidem sobre os magistrados judiciais, inclusive ao dever de observar o devido processo legal com as garantias do contraditório e da ampla defesa”, explica a juíza.
Por fim, a magistrada conclui: “A ausência de intimação do impetrante (Instituto Atlântico) para acompanhar os atos e procedimentos da CPI, bem como, a proibição de acesso aos documentos que a instruíram caracterizou ilegalidade e ofensa aos princípios constitucionais do Estado Democrático de Direito. Portanto, diante de tantas irregularidades e atos ofensivos às garantias e direitos fundamentais previstos na Constituição de 1988, o relatório apresentado na CPI é nulo,  incabível qualquer tentativa de convalidação”, sentencia a juíza. .  
Já o presidente do Instituto Atlântico, Marcos Serra diz que a CPI manipulou o procedimento em benefício dos vereadores da Comissão. “A CPI de Cambé foi aberta sem que houvesse um fato concreto. Os membros da CPI se aproveitaram de um episódio ocorrido em outra cidade para criar uma situação política em favor dos mesmos. Em momento algum houve realmente interesse por parte dos membros em analisar a prestação de serviços do Instituto Atlântico em Cambé. Acredito que os vereadores sabiam que a situação estava regular entre a Prefeitura de Cambé e o Instituto Atlântico, e no entanto, abriram a CPI e a concluíram sem dados concretos e de forma caluniosa contra a Prefeitura e o Atlântico,” disse Serra, que, aliás, nunca foi intimado a prestar esclarecimentos junto à CPI.
 A Câmara de Vereadores pode recorrer da decisão.

Entenda os fatos

30/5/2011 - A Câmara de Cambé cria uma CPI para investigar o contrato da Prefeitura de Cambé com o Instituto Atlântico. A justificativa da criação foi que o mesmo instituto tinha contrato com a Prefeitura de Londrina e este contrato era alvo de investigação pelo Gaeco. Nunca, em nenhum momento houve qualquer denúncia com relação ao contrato do Instituto Atlântico com a Prefeitura de Cambé. Em outras palavras, não havia, como não há até hoje ‘fato determinado’ a ser apurado pela Câmara, como exige a Lei Orgânica do Município para a abertura de uma CPI. Mesmo assim, a Câmara insistiu em criar a CPI.
Instalada a CPI, foram escolhidos seus membros: Cecílio Araújo (PT, oposição, assumiu a presidência da CPI); Irineu Defende (DEM, oposição, ficou com a relatoria) e Mario Santos (PTB, independente, membro).
A condução dos trabalhos da CPI é marcada por excessos, sendo que o presidente Cecílio Araújo chega a proibir a presença do procurador Jurídico do Município nos trabalhos da CPI. Cecílio também cercea o trabalho da defesa, pois não permite que ninguém tenha acesso ao material produzido pela CPI. Por outro lado, a CPI também escolhe suas testemunhas de forma direcionada. O prefeito João Pavinato nunca foi convidado a dar esclarecimentos. Outro que também não foi convocado é o secretário municipal de Administração, responsável pelo processo de licitação vencido pelo Instituto Atlântico. Agravando a situação, o próprio presidente do Instituto Atlântico, Marcos Serra, nunca foi convocado a dar explicações, embora tenha protocolado oficio colocando-se a disposição da CPI.

28/09/2011 - O relatório da CPI é entregue à mesa diretora e, curiosamente, a imprensa tem acesso ao relatório antes que alguns vereadores. A vereadora Ivani da Unidefi, escreveu em seu blog: “O relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga o contrato entre a Prefeitura de Cambé e o Instituto Atlântico, na área da Saúde, foi protocolado no dia 28 de setembro, exatamente às onze horas e trinta minutos, na Câmara Municipal de Cambé, causando indignação entre alguns Vereadores, principalmente na Vereadora IVANI da UNIDEFI, pois, somente no dia 29, pela manhã, receberam cópia do referido relatório, para tomar conhecimento de seu inteiro teor. Tal indignação deve-se ao fato de haver circulado a notícia da entrega do relatório entre diversos blogs antes dos próprios Vereadores tomarem ciência dos fatos”. 
O Relatório é uma peça construída somente com o objetivo de confundir a opinião pública, caluniar e difamar as pessoas envolvidas, sobretudo a equipe do prefeito João Pavinato, sem guardar qualquer compromisso com a verdade. As contas feitas pelo relator Irineu Defende são grosseiramente erradas e apontam prejuízo que nunca existiu. O mesmo relator imputa a secretários municipais crimes que nunca aconteceram, e mostra que o verdadeiro objetivo da CPI, expresso no seu relatório, é político-eleitoral. O relator Irineu Defende é manifesto pré-candidato a vice-prefeito na chapa do DEM. O presidente da CPI, Cecílio Araújo também já admitiu publicamente que é pré-candidato a prefeito pelo PT na eleição de 2012.

01/10/2011 - O CAMBÉ DE FATO publica edição especial relatando os desmandos da CPI da Câmara de Cambé e acusando seus membros de usar a mesma CPI com fins político-eleitorais, de cercear o direito de defesa das pessoas citadas, de caluniar membros da administração do prefeito João Pavinato e de manipular o relatório final da CPI, com vistas a atingir a equipe do prefeito. Nem a Câmara de Vereadores e nem os membros da CPI contestam as afirmações do CAMBÉ DE FATO (inteiro teor da edição está disponível em http://blogluizcesar.blogspot.com/p/cpi-da-camara-de-cambe-conheca-verdade.html).
A única resposta ao CAMBÉ DE FATO, é uma nota oficial assinada pelo presidente da CPI, Cecílio Araújo e, para a surpresa de todos, admite indiretamente, de que a CPI não teve fato determinado. Em sua nota, Cecílio diz que  "a CPI foi aberta tendo como fato determinado a averiguar o contrato e a aplicação do contrato firmado entre Município de Cambé e o Instituto Atlântico”. Em outras palavras, não há fato determinado, pois o contrato e sua aplicação são atos administrativos legais e normais. Fato determinado seria, por exemplo, uma denúncia de que o contrato estaria sendo fraudado. Isso nunca aconteceu. Na mesma nota, Cecílio também admite, indiretamente, que cerceou o direito de defesa do Atlântico, não permitindo que Instituto Atlântico tivesse acesso aos documentos produzidos pela CPI, em seu procedimento investigatório. Disse Cecílio em sua nota oficial: “o Instituto Atlântico teve seu amplo direito de defesa respeitado, na medida em que lhe foi solicitado a apresentação de documentos”. Por outro lado, os ofícios do Atlântico, pedindo vista dos autos e de todo material produzido pela CPI só foi respondido, após muita insistência dos advogados do Atlântico dizendo que o “Instituto teria acesso ao material no momento oportuno”, mas negando qualquer acesso durante a fase de produção de provas pela CPI.

07/10/2011 - Diante da apresentação do Relatório da CPI, o Instituto Atlântico impetra pedido de Mandado de Segurança na Justiça de Cambé contra o relatório, pedindo que seja concedida liminar suspendendo os efeitos do mesmo relatório. A Justiça recebe o instrumento e concede liminar suspendendo os efeitos do relatório. Cecílio Araújo recorre da decisão e tenta cassar a liminar no Tribunal de Justiça. Detalhe:  a Câmara não recorre da decisão. O recurso é assinado apenas pelo vereador Cecílio Araújo (PT).

04/11/2011 - O prefeito João Pavinato entra com ação contra a CPI, seus membros e contra a mesa diretora da Câmara, pedindo liminar que anule os trabalhos da CPI. A Justiça concede liminar ao prefeito, suspendendo todos os trabalhos da CPI, entre outros motivos, por cerceamento do direito de defesa. A Câmara de Vereadores recorre da concessão de nova liminar contra a CPI, mas a juíza de Cambé mantém sua decisão e indefere o pedido da Câmara de Cambé.

11/11/2011- O Tribunal de Justiça do Paraná não aceita os argumentos apresentados por Cecílio Araújo e o desembargador Paulo Hapner, mantém a liminar expedida em primeira instância pela juíza Patrícia Bronzetti, de Cambé, dizendo que não vê motivos para reformar a sentença da juíza, concedendo liminar ao Instituto Atlântico.

16/03/2012 - A Justiça,  através da juíza Patrícia Bronzetti, concede Mandado de Segurança para o Instituto Atlântico anulando definitivamente o  relatório da CPI. Na sentença, a juiza reconhece que a CPI, através de seus membros, cerceou o direito de defesa do Instituto Atlântico. É a quarta derrota da CPI, e por extensão, da mesa diretora da Câmara nos processos judiciais que envolvem o relatório e os trabalhos da CPI da Câmara.


Nenhum comentário:

Postar um comentário