quinta-feira, 2 de junho de 2011

Governo do Estado diz que tem solução para o caso Vizivali

DA AEN: 

O governador Beto Richa e o vice-governador e também secretário de Educação, Flávio Arns, anunciaram na manhã de quarta-feira (01) o fim do impasse gerado pelo não reconhecimento do curso de capacitação de professores realizado pela Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu (Vizivali), que prejudicava 35 mil professores do Paraná. 

Arns declarou que foram muitas as reuniões com representantes do Ministério Público, Tribunal de Contas, Secretarias de Estado, reitores de universidades para que se chegasse à solução do problema. 
O Governo do Estado irá oferecer um curso de pedagogia à distância para os egressos da Vizivali. O curso terá duração de um ano e será ministrado pelas universidades estaduais do Paraná e pelo programa do Governo Federal, Universidade Aberta do Brasil. 
O deputado Valdir Rossoni (PSDB), que esteve presente ao evento, comemorou a solução dada pelo Governo em apenas cinco meses de negociações. 
“Os professores estão há oito anos na expectativa de resolver esse imbróglio. O governo Beto Richa conseguiu em tão pouco tempo o que a gestão anterior foi incapaz de fazer”, declarou. 
Rossoni disse ainda que agora os professores estarão amparados, sem correr o risco de serem dispensados do serviço público por não ter o curso superior. 
“São 35 mil famílias que agora estarão tranquilas. Há anos recebo ex-alunos da Vizivali em meu gabinete para que buscássemos uma alternativa para o impasse. Com diálogo e boa vontade foi possível chegar ao consenso”, disse Rossoni. 
No evento, a professora Eliana Dalmoro, ex-aluna da Vizivali, lembrou emocionada dos últimos cinco anos em que realizaram várias audiências para resolver o impasse, sem sucesso. 
“São oito anos na luta, cinco anos de estrada buscando apoio. Em cinco meses o novo governo encontrou uma maneira de nos ajudar”, relatou Eliana. “Hoje podemos dizer que a nossa situação está resolvida”, completou. 
O Governo realiza o cadastramento dos egressos até o próximo domingo (5). A medida é necessária para identificar o número de profissionais que terão direito a complementação para obterem o diploma de pedagogia. 
No evento o governador e o secretário de educação liberaram recursos aos municípios para o custeio do transporte escolar dos alunos da rede estadual e também para a compra de merenda. 

CASO - O programa de capacitação para a docência dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e da Educação Infantil foi ofertado pela Vizivali, entre 2002 e 2004, no município de Dois Vizinhos. O curso no sistema semipresencial era fundamentado nas normativas do Conselho Estadual de Ensino e autorizava os professores a atuarem com um certificado para a progressão de carreira, sem necessitar de formação em pedagogia. 
No entanto, o Conselho Nacional de Ensino determinou que os profissionais deveriam ter diploma para trabalharem na área e que o sistema semipresencial não era valido na época. Como a Vizivali não tinha autorização para validar diplomas, os profissionais não puderam atuar com apenas o certificado em docência. A grade curricular da faculdade tinha carga de 2.890 horas, aproximadamente 2,5 anos de duração. 
A professora Eunice Alberton, representante dos egressos Vizivali, afirma que a medida encerra um período de espera e empenho dos professores. “É um enorme alívio, depois de anos de espera temos essa boa notícia. Uma medida construtiva que põe um ponto final na nossa angústia e sofrimento”, disse a professora. 
Ela explica que a complementação em pedagogia oferecida pelo governo é mais vantajosa que o curso da Vizivali, pois a graduação em pedagogia permitirá os profissionais prestarem concurso e ampliarem a faixa etária para lecionar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário