terça-feira, 16 de julho de 2013

Grupo de católicas favoráveis ao aborto marca protesto para véspera da chegada do papa ao Rio

Do UOL:

Grupo de católicas favoráveis ao aborto marca protesto para véspera da chegada do papa ao Rio

Hanrrikson de Andrade Do UOL, no Rio 16/07/201306h00

O grupo Católicas Pelo Direito de Decidir, que reúne religiosas que militam em favor de causas relacionadas aos direitos das mulheres, fará um protesto simultâneo em 13 cidades brasileiras no próximo domingo (21), véspera da chegada do papa Francisco para a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro.

A organização não governamental quer aproveitar a chegada do pontífice para defender a legalização do aborto, a derrubada do Estatuto do Nascituro (PL 478/2007, a proibição do sexo antes do casamento, entre outras reivindicações.

As mulheres que participarão do ato vão exibir faixas e cartazes na frente das principais igrejas de Belém, Fortaleza, Brasília, Goiânia, João Pessoa, Campina Grande (PB), Porto Velho, Recife, Rio Branco, Salvador, Santarém (BA) e São Luís.

"Diremos o que as mulheres esperam da visita do papa e de uma igreja que não está tendo muita compaixão com as mulheres", afirmou ao UOL a coordenadora do CPDD, Valéria Melki.

Valéria explicou que, embora o grupo não pertença à estrutura eclesiástica, há cada vez mais simpatizantes de representantes da Igreja Católica. A fim de aproveitar a visibilidade gerada pela chegada do pontífice ao Rio, o Católicas Pelo Direito de Decidir lançou nas redes sociais uma campanha de conscientização.

"São materiais produzidos por jovens que abordam questões como o uso da camisinha, os direitos dos homossexuais, a proibição do sexo antes do casamento, enfim, temas que estão sempre ligados ao conservadorismo católico", explicou.

"O objetivo é mostrar para os jovens que é possível ser católico, mas pensar de uma outra maneira, não se colocando em situações de risco. (...)

Católico não é aquilo que o papa quer fazer parecer. Dentro do catolicismo, há a convivência de pensamentos. O que o papa representa é apenas uma linha de raciocínio. Ninguém pode ser considerado mau católico por discordar", completou.

Segundo Valéria, no Brasil, as mulheres católicas são as que mais realizam abortos. De acordo com a premiada "Pesquisa Nacional de Aborto", realizada pela antropóloga Débora Diniz, da UnB (Universidade de Brasília), uma em cada cinco mulheres brasileiras faz pelo menos um aborto até os 40 anos. Pouco menos de dois terços das mulheres que participaram do estudo eram católicas.
Gru

Nenhum comentário:

Postar um comentário