quinta-feira, 31 de março de 2011

Mortalidade infantil em Cambé é a mais baixa da história

Do CAMBÉ DE FATO:


O menor da história. É assim que podemos resumir o índice de mortalidade infantil obtido no Município de Cambé em 2010, que foi de 7,05 óbitos para cada mil nascidos vivos. Desde que foi criado, em 1998, o Comitê Municipal de Mortalidade Infantil não registrava um índice tão baixo de mortalidade entre crianças com menos de um ano de idade. Em 2008 o índice registrado foi de 13,16 para cada mil crianças nascidas, em 2009 o número baixou para 11,38. Se comparada com a taxa de mortalidade de 1980, primeiro ano em que começou a ser medida, a diferença é colossal. Naquele ano, morriam 53,26 crianças para cada grupo de mil nascidas vivas. Em 1990 o índice ainda era alto: 34,38 mortes/mil, mas  caiu substancialmente em 1991 para 18,78 mortes/mil, e de lá para cá, exceto em 1993 (20,70 mortes/mil) a cidade sempre manteve um índice de mortalidade considerado dentro dos padrões da Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de menos de 20 óbitos para cada mil. 
O nível conquistado agora (7,05) é para se comemorar, e muito, por toda a equipe da Secretaria de Saúde do Município e por toda a cidade. 
A taxa registrada em Cambé, de 7,05/mil  reflete a melhoria da qualidade de vida da população e aos acompanhamentos realizados no período de gestação.  Para a secretária de saúde de Cambé, Alessandra Garcia Gonzáles Vaz, a redução do número se deve ao amplo trabalho que vem sendo realizado por toda a equipe de saúde de Cambé. “O fator principal que contribuiu para atingirmos esse índice é a melhoria no acompanhamento pré-natal das gestantes. Investimos em treinamento e capacitação de todo o pessoal envolvido”, emenda a secretária de saúde, que lembrou ainda que duas Clínicas da Mulher e da Criança estão sendo construídas para dar ainda mais apoio às gestantes. “Com as clínicas poderemos prestar um atendimento mais completo às mulheres. Queremos baixar ainda mais esse índice de mortalidade”, disse Alessandra.
De acordo com a coordenadora do Programa Saúde da Família em Cambé (PSF), Rosália Gair, o trabalho realizado junto às gestantes pela equipe do PSF também é fundamental para se obter a redução da mortalidade infantil no município. “Todo o acompanhamento feito pelas equipes do PSF durante a gravidez traz resultados positivos. As equipes fazem visitas às gestantes para orientá-las da melhor maneira sobre as consultas, vacinas, e sobre outros cuidados necessários para que o bebê nasça saudável”, complementa Gair. A coordenadora também destaca que as mulheres que apresentam gravidez de risco são orientadas e passam a ter também um acompanhamento do Hospital de Clínicas de Londrina (HC). 
Já Tânia Maria Pascueto, diretora de Atenção Básica da Secretaria de Saúde ressalta que todas as mulheres grávidas, logo no início da gestação e antes do parto fazem o teste rápido do HIV. “Caso a mãe seja diagnosticada com o vírus, ela já começa a tomar os medicamentos necessários para que diminua para em torno de 1% a chance de o bebê ser contaminado com o vírus”, disse, “se os cuidados não forem tomados ele corre um risco muito grande, pois ainda não possui anti-corpos”, completa ela. 


A mortalidade infantil é usada para medir a qualidade da saúde

A taxa de mortalidade infantil é um dos principais indicadores da qualidade da Saúde Pública. Os níveis de mortalidade infantil apresentados em Cambé, 7,05/mil, estão bem abaixo do que os apresentados na média nacional e estadual. O Paraná  apresentou queda de 35% nos últimos anos mas não conseguiu baixar a taxa para apenas um dígito, ou seja, abaixo de dez para cada mil nascidos. No Brasil, apesar queda de 58% entre 1990 e 2008, reduzindo para 19,88 óbitos para cada mil nascidos em 2010, o país ainda ocupa a 90º posição no ranking. Os números mortalidade no Brasil estão acima dos apresentados por países com o mesmo nível de desenvolvimento como a China 15,4/mil; México 16,5/mil Colômbia 15,3mil e Argentina 12,8/mil. As menores taxas de mortalidade infantil no mundo são da Islândia 2,6 e da Suécia 2,7. Itália, Noruega e França também apresentam números abaixo quatro para cada mil nascidos. O índice registrado em Cambé (7,05 crianças/mil) se aproxima da taxa mortalidade infantil em países desenvolvidos como Estados Unidos (7 crianças/mil) e Polonia (6 crianças/mil. ).



Um comentário:

  1. Parabéns para Cambé, e não devemos esquecer que tudo começou la atrás, na administração do Hauly, e com a pastoral da criança, quando começou seu trabalho no Jardim Tupy. Cambé soube colher os frutos da semente plantada.

    ResponderExcluir